A cárie atinge 80% da população mundial e é o maior problema de saúde bucal do mundo.

 

É uma doença silenciosa que ataca as estruturas calcificadas e causa a destruição progressiva dos dentes. A ingestão de açúcar e falta de higiene bucal favorecem a proliferação bacteriana e o surgimento de cárie. A hereditariedade também tem um papel importante na predisposição de seus dentes para se deteriorarem.

Todos os dias forma-se sobre os dentes a PLACA BACTERIANA. As bactérias processam os restos alimentares formando um ácido que causa a desmineralização de dente iniciando o processo de cárie.

A desmineralização ocasiona MANCHAS BRANCAS e sem brilho no dente. Neste estágio, a cárie ainda pode ser revertida através da correta higienização com creme dental fluoretado. Paciente que usam aparelho ortodôntico devem ter bastante cuidado coma higienização, pois a placa acumulada entre as peças do aparelho podem causam as manchas brancas que já são princípio de cárie.

O agravamento da etapa anterior gera a CAVITAÇÃO, um buraco no dente gerado pela desmineralização.

 

Caso não haja o correto tratamento, esta lesão pode aumentar cada vez mais chegando ao CANAL do dente.

Se o tratamento de canal não for realizado, pode evoluir e formar o ABSCESSO – o acúmulo de pus na raiz do dente.

 

Embora a cárie seja mais comum em crianças, adultos também estão sujeitos a ela. Os tipos de cárie são:

  • Cárie coronária — é o tipo mais comum. Ocorre tanto em criança como em adultos. A cárie coronária se localiza nas superfícies de mastigação ou entre os dentes.
  • Cárie radicular — à medida que envelhecemos, a gengiva se retrai, deixando partes da raiz do dente expostas. Como não existe esmalte cobrindo as raízes do dente, estas áreas expostas se deterioram facilmente.
  • Cárie recorrente — a deterioração pode ocorrer em volta das restaurações e coroas existentes. Isto porque estas áreas tendem a acumular placa, que acabam levando à deterioração.

Os adultos estão especialmente sujeitos a apresentar cárie quando sofrem de xerostomia (boca seca), uma doença causada pela falta de saliva. A xerostomia pode ser decorrente de alguma doença, de medicamentos, da radioterapia e da quimioterapia, e pode ser temporária (dias ou meses) ou permanente, dependendo de suas causas.

A cárie constitue  um sério problema. Se não for tratada, uma cárie pode destruir seu dente e atingir a polpa (nervo), o que pode resultar em um abscesso, uma área de infecção na ponta da raiz. Uma vez formado o abcesso, ele só pode ser tratado através do tratamento do canal, de cirurgia ou da extração do dente.

Como eu sei se estou com cárie?

Apenas seu dentista pode dizer com certeza se você tem cárie. Isto porque a cárie se desenvolve embaixo da superfície do dente, onde você não pode vê-la. Quando você ingere alimentos que contenham carboidratos (açúcar e amido), estes carboidratos são digeridos pelas bactérias da placa, produzindo ácidos que corroem a estrutura do dente. Com o tempo, o esmalte do dente começa a fraturar por debaixo da superfície, enquanto a parte externa permanece intacta. Quando uma quantidade suficiente de esmalte sob a superfície já tiver sido destruída, a superfície se desmorona, expondo a cavidade de cárie.

É maior a probabilidade da cárie de se desenvolver em fóssulas e fissuras nas superfícies de mastigação dos dentes posteriores, nos espaços entre os dentes e próximo à linha da gengiva. Mas, independentemente de onde ocorre, a melhor maneira de identificá-la e tratá-la, antes que se torne séria, é visitando seu dentista regularmente para avaliações.

Como posso ajudar a evitar a cárie?

  • Escove os dentes pelo menos três vezes ao dia, e use o fio dental diariamente, a fim de remover a placa bacteriana entre os dentes e sob a gengiva.
  • Faça avaliações regulares. O cuidado preventivo pode evitar que os problemas ocorram e que problemas menores se tornem sérios.
  • Adote uma dieta balanceada, com pouco açúcar e amido. Quando ingerir estes alimentos, procure comê-los durante a refeição, e não como um lanche, para minimizar o número de vezes que seus dentes são expostos ao ácido.
  • Utilize produtos de higiene dental que contenham flúor, incluindo o creme dental e o enxaguatório.
  • Certifique-se de que a água que suas crianças bebem contenha flúor. Se a água fornecida em sua localidade não contém flúor, seu dentista ou pediatra pode prescrever suplementos de flúor diários.

VISITE SEU DENTISTA A CADA 6 MESES!

       

 

Ainda está com dúvidas? Me chame no whatsapp:

    (91) 98152-8805