A gestação é um período especial na vida de uma mulher. Por outro lado, é também uma fase em que surgem muitas dúvidas em relação ao que pode ou não afetar a saúde do bebê.
Muitas pessoas, por exemplo, acreditam que a mulher não deve fazer nenhum tratamento odontológico durante a gravidez, pois os procedimentos poderiam apresentar complicações ao feto.
Esse mito é tão forte que muitos dentistas preferem adiar os tratamentos que não demandam urgência para depois do parto, com medo de serem considerados “culpados” caso o bebê apresente algum tipo de problema de saúde ao nascer.
É claro que  a saúde oral da mãe pode, sim, afetar a saúde do bebê, mas de uma maneira diferente da que as pessoas geralmente imaginam. O tratamento não é prejudicial, mas a ausência dele sim. Isso porque a manifestação de problemas bucais durante a gestação está diretamente ligada ao parto prematuro e ao nascimento de crianças abaixo do peso, sobretudo quando as enfermidades afetam a gengiva.
Portanto, em vez de fugir dos dentistas, é mais indicado que as gestantes façam um check-up odontológico associado ao acompanhamento pré-natal, identificando e eliminando qualquer doença oral que possa ser danosa ao bebê. Além disso, a dentista pode orientar a gestante sobre os cuidados especiais para esse período em que os dentes estão mais sujeitos à ação ácida dos vômitos e ao consumo de alimentos diferentes e em maior quantidade.
O período ideal para o tratamento odontológico de gestantes é durante o segundo trimestre da gravidez, uma vez que o primeiro é marcado por enjoos e indisposição, enquanto o terceiro registra aumento da frequência urinária, inchaço corporal, dores nas costas e desconforto na posição “deitada” exigida pela cadeira da dentista.
Para as mulheres que estão em TRATAMENTO ORTODÔNTICO, a gestação não exige nenhum tipo de cuidado especial em relação ao aparelho, que também não prejudica em nada a formação saudável do feto. A gestante deve, apenas, reforçar os cuidados com a HIGIENIZAÇÃO, uma vez que os aparelhos ortodônticos favorecem o acúmulo de resíduos da alimentação, o que facilita o desenvolvimento de placa bacteriana, infecções gengivais e cáries.

Fatos sobre gravidez e dentista:

1 – A GESTANTE PODE RECEBER TRATAMENTO ODONTOLÓGICO?

Em qualquer momento da gravidez, a gestante poderá ser atendida, embora o segundo trimestre seja o momento mais oportuno, porque, nessa fase ela se encontra num período de que a gravidez já se estabilizou.

2 – EXISTEM RISCOS QUANTO À ANESTESIA LOCAL?

Quanto ao uso de anestésicos ele pode ser indicado, a menos que a gestante apresente alguma contra indicação individual, como, elevação da pressão arterial, diabetes, etc. Dentro do nosso protocolo, evitamos o seu uso. Nesta situação, o dentista deverá consultar o obstetra para a escolha do medicamento ou o anestésico apropriado.

3 – O EXAME RADIOGRÁFICO É PERIGOSO NA GRAVIDEZ?

Respeitando-se o uso do avental e colar de chumbo, a quantidade de radiação é insignificante e sem perigo algum. No primeiro trimestre da gravidez, as radiografias devem ser evitadas. No entanto, caso elas sejam imprescindíveis, alguns fatores garantem a segurança da mamãe e bebê: o raio-x é normalmente dirigido à boca, distante da barriga. A quantidade de radiação e o tempo de exposição são pequenos.

4 – DIZEM QUE, NA GRAVIDEZ, OS DENTES “ESTRAGAM” COM MAIS FACILIDADE. ISSO É VERDADE?

A gravidez não é responsável pelo aparecimento de cárie e nem pela perda dos dentes da mãe.  Pois os dentes da gestante não participam da formação dos ossos e dentes do bebê e sim provém de sua alimentação. O aumento das caries na maioria das vezes está relacionado com a higiene bucal inadequada e hábitos alimentares prejudiciais.

5 – E QUANTO À GENGIVA? ELA SE INFLAMA COM MAIS FACILIDADE?

A gravidez também não causa inflamação na gengiva. Apesar de haver uma maior vascularização a gravidez só afeta áreas já inflamadas e, não, a gengiva sadia. Mais uma vez: é a má higienização bucal e a presença da placa bacteriana que causam problemas na gengiva – a gengivite.

6 – EXISTEM CUIDADOS ESPECIAIS PARA A HIGIENE BUCAL?

Os cuidados são os mesmos de uma mulher não grávida: limpeza diária dos dentes com uso adequado da escova e fio dental.

A qualidade dessa limpeza é mais importante do que a frequência. Se houver algum ponto da gengiva com sangramento, essa região deverá ser limpa melhor. Se após 3 dias a gengiva continuar sangrando, a gestante deve procurar a ajuda de um dentista.

7 – DURANTE A GESTAÇÃO QUANDO OS DENTES DO BEBÊ COMEÇAM A SE FORMAR?

Os “dentes de leite” começam a se formar a partir da 6ª semana e os dentes permanentes, a partir do 5º mês de vida intrauterina.

Dessa forma, condições desfavoráveis durante a gestação (ex.: uso de medicamentos, infecções, carências nutricionais etc.) podem trazer problemas nos dentes em fase de formação e mineralização.

8 – DEVO TOMAR FORTIFICANTE PARA UMA BOA DENTIÇÃO DO BEBÊ?

Os “fortificantes” na realidade estão em uma alimentação balanceada, constituída por diferentes grupos de alimentos (carnes, frutas’ legumes e verduras, cereais, leite e derivados). As avitaminoses podem comprometer o desenvolvimento normal dos dentes. Se houver necessidade de vitaminas, o ginecologista determinará a prescrição necessária.

9 – A GESTANTE DEVE TOMAR FLÚOR PARA UMA BOA DENTIÇÃO DO BEBÊ?

O fato de a gestante tomar flúor durante a gestação não significa que o bebê terá menos cárie. Ele é mais importante depois da erupção dos dentes, que se inicia mais ou menos aos 6 meses de idade.

10 – A AMAMENTAÇÃO É IMPORTANTE PARA OS DENTES DO BEBÊ?

A amamentação durante o primeiro ano de vida é fundamental para a prevenção da  má oclusão. Além da importância afetiva e nutricional, o exercício muscular durante a sucção no seio favorece a respiração nasal e previne grande e parte dos problemas de posicionamento incorreto dos dentes e das estruturas faciais.

11 – O QUE DEVE A GESTANTE FAZER PARA QUE O BEBÊ TENHA BONS DENTES?

Antes de tudo, ela própria precisa estar saudável. A saúde bucal da mãe tem relação direta com a saúde bucal da criança. Os pais, particularmente a mãe determinam muito o comportamento que os filhos adotarão. Hábitos saudáveis são fundamentais como, hábitos de limpeza bucal e de alimentação equilibrada. Uma boa alimentação significa também evitar o consumo de açúcar. O açúcar natural dos alimentos é suficiente para a saúde da gestante e o desenvolvimento do bebê.

12 – APÓS O NASCIMENTO, QUANDO DEVO LEVAR A CRIANÇA PELA PRIMEIRA VEZ AO DENTISTA?

A primeira visita ao odontopediatra deve acontecer assim que os primeiros dentinhos de leite nascerem, ocasião em que os pais receberão orientações a respeito das causas e da transmissão da cárie, da alimentação, da limpeza dos dentes do bebê e do uso adequado do flúor. A correta higiene bucal assegura a chances da criança crescer sem problemas bucais.

FAÇA UMA VISITA AO SEU DENTISTA E TIRE TODAS AS SUAS DÚVIDAS! PRÉ NATAL ODONTOLÓGICO É MUITO IMPORTANTE PARA SAÚDE DO SEU BEBÊ.
      
Ainda tem alguma dúvida? Me chame no Whatsapp:
   (91) 98152-8805